SINDCONSTRUCIVIL – MA

Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil, Construção Pesada-Infraestrutura, Mobiliário, Artefatos de Cimento, Obras de Arte, Instalações Elétricas, Montagens e Manutenções Industriais, Construção e Manutenção de Rodovias, Ferrovias e Engenharia Consultiva

Ouça nossa rádio

São Luís mantém 326 pontos para coleta de pneus usados

São Luís mantém 326 pontos estratégicos (PE’s) para recolhimento de pneus sem utilização. Os locais incluem borracharias e oficinas mecânicas da capital, escolhidos a partir de mapeamento feito pela Secretaria de Saúde (Semus) sobre os lugares com maior incidência de casos de dengue. Cerca de 300 pneus são coletados diariamente e por mês os números oscilam de 5 mil a 10 mil pneus.

 

O recolhimento dos pneus nos 326 PE’s é feito diariamente pela empresa contratada para a limpeza pública da cidade. Após o recolhimento, os pneus são levados para um galpão na Semosp, onde ficam acondicionados até que seja feito o carregamento do material para a reciclagem.

 

Esse carregamento dos materiais e encaminhamento para a reciclagem é realizado pela Reciclanip através de parceria firmada com o município. A Reciclanip intermedeia a coleta em prefeituras de todo o país e encaminha às empresas de reciclagem para que sejam reformados e transformados em diversos produtos como solados de sapatos, tapetes, asfaltos de rodovias e avenidas, entre outros.

 

Entre as empresas de destino do material estão a Comércio e Reciclagem de Borrachas LTDA, em João Pessoa (PB); Votorantim Cimentos, em Sobral (CE); e Comércio e Reciclagem de Borrachas LTDA, em Feira de Santana (BA). Nas três destinações, os pneus são utilizados como fonte de energia para fabricação de cimentos.

 

O projeto de reciclagem foi implantado como forma de incentivar a sustentabilidade por meio da coleta seletiva de pneus que não têm mais utilidade. A medida aliou tanto os benefícios para a limpeza pública quanto os cuidados necessários ao meio ambiente e à saúde, uma vez que os materiais podem se transformar em criadouros do mosquito transmissor da dengue, o Aedes Aegypti, se descartados inadequadamente.

 

O borracheiro Daniel de Jesus, de 35 anos, reforça a importância em separar os pneus velhos para a coleta seletiva. “Além de ser uma maneira fácil de descartar em vez de deixar jogado por aí, evita o acúmulo de lixo e água parada que favorece a ocorrência da dengue”, declarou.

 

Embora os pneus sejam enquadrados como inertes na classe de resíduos, ou seja, materiais não inflamáveis ou que não apresentam perigo aparente, o tempo mínimo que um pneu leva para se decompor na natureza corresponde a 600 anos. Devido a esse tempo, o descarte inadequado gera vários impactos para a saúde humana e meio ambiente.

 

Além do risco de proliferação do mosquito transmissor da dengue, o descarte irregular de pneus em vias públicas favorece o acúmulo de lixo, entupindo bueiros e impedindo o escoamento de águas pluviais. O processo de reciclagem dos pneus está previsto na Resolução 416/09 do Conselho Nacional de Meio Ambiente (CONAMA).

Fonte:Idifusora.com

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

oito + 7 =