SINDCONSTRUCIVIL – MA

Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil, Construção Pesada-Infraestrutura, Mobiliário, Artefatos de Cimento, Obras de Arte, Instalações Elétricas, Montagens e Manutenções Industriais, Construção e Manutenção de Rodovias, Ferrovias e Engenharia Consultiva

Ouça nossa rádio

Segundo IBGE, setor de serviços recua 5% em janeiro

 

O volume do setor de serviços do país iniciou 2016 em queda de 5% frente ao mesmo período do ano passado e registrou o pior resultado para janeiro desde 2012, quando teve início a série histórica do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa é a 10ª baixa seguida do indicador. No mês anterior, o recuo também havia sido de 5%. Em 12 meses, o setor acumula queda de 3,7%.

 

De dezembro para janeiro, recuaram os serviços prestados às famílias (-4,1%), os serviços de informação e comunicação (-2,1%), os serviços profissionais, administrativos e complementares (-9,1%), transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio (-5,8%) e outros serviços (-7,9%).

 

De acordo com o peso que têm sobre o indicador,  as principais influências para a queda de 5% partiram de transportes, serviços auxiliares dos transportes e correio e Serviços profissionais, administrativos e complementares, Serviços de informação e comunicação, outros serviços e serviços prestados às famílias.

 

"A queda foi generalizada e em todos os segmentos. Muito embora o segmento de serviços prestados às famílias tenha tido uma queda menor [em janeiro], o serviço de informação e comunicação, que tem o maior peso [sobre o total do setor], teve retração de 2,1%”, analisou Roberto Saldanha, técnico de serviços e comércio do IBGE.

 

Onde caiu mais
Na comparação com janeiro do ano passado, o setor de serviços cresceu em 7 das 27 Unidades da Federação. No Mato Grosso, a alta foi de 17,5%, no Distrito Federal, de 13,3%, em Roraima, de 11,2%, em Alagoas, de 6,3%, em Mato Grosso do Sul, de 3,8%, em Rondônia, de 1,4%, e Ceará, de 0,4%. Na outra ponta estão Amapá, com queda de 19,1%, Amazonas, 14%, e Pernambuco, 11,4%.

 

Fonte: G1-MA

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 + dezessete =